Direitos dos trabalhadores podem regredir mais de cem anos com plataformas electrónicas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Em Curso Direitos dos trabalhadores podem regredir mais de cem anos com plataformas electrónicas

Mensagem por dragao em Ter 22 Jan 2019, 19:58

Organização Internacional do Trabalho pede ações urgentes para travar efeitos das mudanças que já começam a afetar quem trabalha.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) alerta que as mudanças que o mundo do trabalho está a enfrentar arriscam-se a "agravar as desigualdades, a incerteza e a exclusão", com "repercussões políticas, sociais e económicas destrutivas".

Razões que levam a OIT a reclamar, numa série de propostas apresentadas, esta terça-feira, no relatório da Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho, que os governos se entendam sobre a melhor forma de chegar a uma resposta comum, pedindo medidas "urgentes".

O relatório lido pela TSF dá o exemplo da revolução tecnológica em curso que fará com que "as competências de hoje não sejam úteis para os empregos do futuro", com a agravante de que "as novas competências entretanto adquiridas muito provavelmente vão ficar rapidamente obsoletas", resultado dos avanços tecnológicos como a automação, a robótica ou a inteligência artificial.

"Gerações de trabalhadores digitais ao dia"

Mais grave: "Aqueles que perderão os seus empregos podem ser os menos equipados para procurar novas oportunidades de trabalho".

Sem medidas concertadas, a nova economia digital deverá agravar as disparidades, com a OIT a temer que os sites de crowdworking e as aplicações que intermedeiam esse mesmo trabalho "recriem práticas laborais do século XIX e gerações futuras de trabalhadores digitais pagos ao dia".

O relatório alerta para a necessidade de que exista uma regulação internacional sobre as plataformas digitais que garanta que estas novas formas de trabalho (e os seus clientes) respeitam um mínimo de direitos e proteção dos trabalhadores.

Depois de décadas de combate à economia informal, a OIT fala em novos problemas sociais com origem em formas de trabalho como o "fenómeno emergente do trabalho mediado digitalmente através da economia das plataformas na internet".

As ameaças das máquinas

Para a OIT o mundo enfrenta "um dos mais relevantes desafios dos tempos modernos com mudanças disruptivas no trabalho que afetam todas as nossas sociedades".

Uma das propostas dos especialistas é que se criem garantias universais para todos os trabalhadores independentemente do seu vínculo contratual, nomeadamente através de "ordenados adequados" aos custos de vida, limites de carga horária, além de segurança e saúde no trabalho.

A Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho recorda vários estudos publicados nos últimos anos e apresenta vários resultados que apontam todos no mesmo sentido: cuidado com as máquinas.

-Quase metade dos trabalhadores dos Estados Unidos da América está em risco de ver os seus empregos substituídos pela automação.

- Em vários países asiáticos 56% dos trabalhos estão em risco com a automação nos próximos 20 anos.

- Cerca de 9% dos empregos nos países da OCDE estão em alto risco de automação, havendo perto de 60% com um terço das tarefas que podem ser automatizadas

- Dois terços dos trabalhos nos países em desenvolvimento podem ser automatizados.

- Metade das empresas esperam reduzir a força humana de trabalho a tempo inteiro até 2022.

A OIT argumenta que é preciso "gerir" as novas tecnologias para garantir "trabalhos decentes", com uma abordagem que coloque "os humanos no comando", mantendo as decisões finais nas mãos de pessoas e não de máquinas com inteligência artificial.

in TSF | 22-01-2019 | Nuno Guedes
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 50
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 20913
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares