PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Página 3 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para baixo

Em Curso PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Sex 30 Abr 2021, 09:07

Relembrando a primeira mensagem :

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) consideraram esta quinta-feira que o valor do subsídio de risco para as forças de segurança deve rondar os 380 euros.

Segundo a ASPP e a APG, este valor deve servir de base para as negociações com o Governo sobre a atribuição de um subsídio de risco para as forças de segurança, que tem de estar concretizado até ao fim de junho, tal como está previsto no Orçamento do Estado deste ano.

As associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana e os sindicatos da Polícia de Segurança Pública estiveram hoje reunidos com o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, para debater a revisão dos suplementos e subsídios nas forças de segurança.

Os representantes destas estruturas saíram da reunião desiludidos por não ter sido apresentado por parte do Ministério da Administração Interna (MAI) qualquer proposta para dar início ao processo de negociação.

"Como era uma reunião por causa do subsídio de risco, pensávamos que já havia uma proposta por parte do Governo, mas não foi apresentado nada", disse à agência Lusa o presidente da APG, lamentando não existir "nada em concreto".

César Nogueira salientou que é importante que o Governo apresente um valor para se iniciar o processo de negociação, frisando que a proposta da APG está num caderno já entregue ao MAI, sendo essa a base para se chegar a um consenso.

"A nossa proposta é 20% sobre o primeiro nível remuneratório de capitão, isso dá cerca de 389 euros", disse, precisando que esse valor é fixo para todas as patentes.

Também o presidente da ASPP lamentou à Lusa "a falta de informação" apresentada pelo secretário de Estado, considerando que se tratou de uma reunião que "não passou do campo das intenções".

Paulo Santos disse que já existe "pouco tempo" para a negociação do subsídio de risco porque o Orçamento do Estado estabelece que esteja concluído até ao final do primeiro semestre.

O presidente da ASPP defende que o subsídio de risco para o efetivo da PSP tenha um valor idêntico "ao que já existe em outras forças de segurança", nomeadamente a Polícia Judiciária, que ronda os 380 euros.

"Este é o valor colocado pela ASPP em cima da mesa para início das negociações" disse, acrescentando que o sindicato enviou esta semana esta proposta para o MAI.

Em comunicado, o Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP/PSP) refere também que o "Governo se ficou pelas promessas e não avançou com nada em concreto" e exige que "passe das palavras aos atos".

Para o SPP, deve ser definido "um valor significativo e igual para todos" os polícias, independentemente das carreiras.

Num comunicado enviado no final da reunião, o MAI refere que o subsídio de risco e o suplemento remuneratório para os profissionais da GNR e da PSP "dominaram o debate na reunião de hoje, tendo em conta as determinações constantes da Lei do Orçamento de Estado para 2021".

"Dada a necessidade de obter contributos suplementares, foi decidido prosseguir os trabalhos numa reunião marcada já para o próximo mês de maio. No caso específico do subsídio de risco, foi aprovada a criação de um grupo técnico entre o gabinete do secretário de Estado e as associações e sindicatos que reunirá de forma regular", salienta o MAI.

O Ministério da Administração Interna indica ainda que esta reunião deu continuidade ao processo negocial iniciado em 2020 sobre matérias relativas à valorização profissional, que permitiu analisar também as prioridades da nova Lei de Programação de Infraestruturas e Equipamentos das Forças e Serviços de Segurança e um novo modelo de Segurança e Saúde no Trabalho.

https://www.jn.pt/justica/psp-e-gnr-defendem-subsidio-de-risco-a-rondar-os-380-euros-13627002.html
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo


Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por COELHO.X Sab 03 Jul 2021, 22:46

Ark escreveu:Os que com uma confiança desmedida diziam há uns meses atrás
"...está feito, ronda os 250 e começa em junho..."

agora andam escondidos e nem abrem a boca.

O politicamente correcto serve zero ! 

Apresentada uma proposta de gozo como esta, deveriam na hora remeter-se ao silêncio e abandonar o local, sem mais conversa.
Eu ja o referi anteriormente.
Todos os sindicatos e associações se os tiverem no sitio, na próxima reunião ficam a porta e nao entram e depois fala um representante com a comunicação social e explica o motivo (mais que óbvio), e com firmeza e a uma só voz....dizem basta e dizem ao que vêm e as consequências que daí poderão vir no futuro, pois foi uma falta de respeito tao grande, que nos envergonha a todos...neste momento para quem exerce a profissão deve se sentir revoltado, triste e só,  numa sociedade que em nada os merece(policia) e uns governantes tão medíocres que só pensam no seu ego, nas costas guardadas e desprezam uma polícia,  capaz, profissional e boa no que faz...mas obdiente e mansa!!!
COELHO.X
COELHO.X
Capitão
Capitão

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 5593
Mensagem : Passam Céleres Altivos e Impenetráveis..é a Cavalaria que Passa!
"Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa..."

Martin Luther King

Meu alistamento : (1999) Século Passado!!Há pois é.


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qua 07 Jul 2021, 11:34

As associações não servem para nada! Fazem comunicados para a imprensa e pouco mais!
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qua 07 Jul 2021, 12:32

Com este subsidio de risco, mais umas alcavalas para os militares da categoria de oficiais, que já têm um óptimo estatuto, enquanto que para os militares da categoria de praças com o mesmo estatuto, o pior de sempre para os praças, lhes foi retirado tudo inerente ao risco da profissão, como por exemplo percentagens para efeitos de serviço, agravamento das condições de reserva e reforma, impossibilidade de passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações, menos dias de férias etc. etc. que os anteriores estatutos previram sempre como forma para compensar precisamente esse risco.

Uns, a quem já lhes retiraram tudo, estrebucham por migalhas, pondo inclusivamente as suas vidas profissionais e particulares em perigo. Outros, que já tinham tudo, e que com o ultimo (actual) estatuto lhes deram o melhor do mundo e a cereja no topo do bolo, que é a possibilidade de aceder a três estrelas, o que é excelente, assistem, calmos e serenos, sem se chamuscarem ou molharem, do alto das suas cadeiras de poder e de comando, à chegada ao seu justo recibo de vencimento de mais umas alcavalas.

Triste vida esta, nestes estranhos tempos em que vivemos, dos pobres guardas/praças republicanos.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qua 07 Jul 2021, 14:43

Guarda que anda à linha escreveu:
Com este subsidio de risco, mais umas alcavalas para os militares da categoria de oficiais, que já têm um óptimo estatuto, enquanto que para os militares da categoria de praças com o mesmo estatuto, o pior de sempre para os praças, lhes foi retirado tudo inerente ao risco da profissão, como por exemplo percentagens para efeitos de serviço, agravamento das condições de reserva e reforma, impossibilidade de passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações, menos dias de férias etc. etc. que os anteriores estatutos previram sempre como forma para compensar precisamente esse risco.
Uns, a quem já lhes retiraram tudo, estrebucham por migalhas, pondo inclusivamente as suas vidas profissionais e particulares em perigo. Outros, que já tinham tudo, e que com o ultimo (actual) estatuto lhes deram o melhor do mundo e a cereja no topo do bolo, que é a possibilidade de aceder a três estrelas, o que é excelente, assistem, calmos e serenos, sem se chamuscarem ou molharem, do alto das suas cadeiras de poder e de comando, à chegada ao seu justo recibo de vencimento de mais umas alcavalas.
Triste vida esta, nestes estranhos tempos em que vivemos, dos pobres guardas/praças republicanos.
A verdade é mesmo essa!
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qui 08 Jul 2021, 16:19

https://www.noticiasaominuto.com/pais/1791484/governo-admite-dar-aos-policias-subsidio-de-risco-de-alguma-dignidade
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Lynx Qui 08 Jul 2021, 20:06

Mais 10 euros ja deve ser um valor digno.
A nossa vida deve valer menos que o sef ou pj
Lynx
Lynx
Alferes
Alferes

Masculino
Idade : 43
Profissão : GUARDA
Nº de Mensagens : 3688
Mensagem : so vence quem acredita na vitoria

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qui 08 Jul 2021, 22:28

“O secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna garantiu hoje a disponibilidade do Governo para atribuir aos polícias um subsídio de risco com valor de "alguma dignidade", mas num quadro "realista".

Dignidade como compensação do risco que os militares da Guarda correm na profissão/função de risco que exercem, era a dignidade a que correspondiam as condições que tinham até 2005, e começaram a retirar desde aí até agora, culminando em 2017 com o pior estatuto de sempre. E que, em conjunto com o DL das reformas, faz com que pela primeira vez nos seus estatutos, os militares da Guarda já não possam passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações, medidas essas que, pasme-se, nem a Troika, nem no tempo da Troika, nem o governo em funções no tempo da Troika (2011 - 2015) aplicou aos militares e policias. Com este brinde com que presentearam os militares e policias, isto sim, é uma excelente medida para sujeitar e expor cada vez mais os militares e policias ao risco, porque vão estar cada vez mais velhos, e mais debilitados e desgastados física e psicologicamente no serviço activo.
 
E algumas das medidas (essas sim bastante dignas) existentes até 2005 por forma a compensar o risco e a condição militar a que os militares da Guarda estão sujeitos e correm, entre outras, eram: a subida de escalão de 3 em 3 anos sem estar sujeito a sistema de avaliação manhoso. Um sistema de saúde SAD para o militar, cônjuge e filhos sem encargos para o militar, em que hoje paga por esse subsistema 14 vezes por ano o equivalente ao subsidio de risco que querem agora dar. Médico da Guarda nas sedes dos DTERs 1 ou 2 vezes por semana. A passagem à reserva com 36 anos de serviço independentemente da idade, e 5 anos depois passagem à reforma sem qualquer tipo de corte e ou penalização, ao contrário de agora, em que para os que passem à reserva a partir de 01JAN17 estão sujeitos a autênticas armadilhas, em que podem sofrer cortes brutais na sua pensão de reforma. Chegar ao topo da carreira no ultimo escalão. A possibilidade de ser cabo ao fim de 2 ou 3 anos de Guarda/vinte e poucos anos de idade. Mais dias de férias do que hoje, em que para ser ter mais 1 ou 2 míseros dias se está sujeito à avaliação. 
 
Isto sim eram condições/discriminações positivas dignas, para compensar o risco que os militares da Guarda correm. Mas, não contentes com isso, talvez por inveja, em 2005 iniciaram o ataque cerrado às condições/direitos (não regalias porque essas estão reservadas a outros) dos militares da Guarda e, como se não bastasse já este ataque cerrado a essas condições e direitos, não contentes ainda, e para pouparem uns trocos ao erário publico, ainda querem encavar os militares da Guarda, e aqui são só os da Guarda, já não são os das Forças Armadas (mais uma vez militares da Guarda = a militares de segunda) depois de velhos, como cereja no topo do bolo com esta pérola https://www.portugal.gov.pt/pt/gc21/comunicacao/noticia?i=aprovado-programa-vigilancia-
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Estranho Qui 08 Jul 2021, 22:55

militar
Estranho
Estranho
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 40
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 893
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qui 15 Jul 2021, 14:26

https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/dupla-de-policias-dispara-para-o-ar-para-escapar-a-cerco-de-moradores-em-bairro-de-oeiras-veja-as-imagens?ref=HP_PrimeirosDestaques
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qui 15 Jul 2021, 14:27

toinojaquim escreveu:https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/dupla-de-policias-dispara-para-o-ar-para-escapar-a-cerco-de-moradores-em-bairro-de-oeiras-veja-as-imagens?ref=HP_PrimeirosDestaques
48€
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qui 15 Jul 2021, 16:04

Meus Senhores, neste momento, eles estão-se a c... para o reconhecimento do risco, do perigo e do desgaste rápido da profissão de policia/militar. Eles estão-se a c... para os que são agredidos, feridos e mortos em serviço, assim como para a elevada taxa de suicídio destes profissionais.
Basta ver que a partir de 2017, através do DL das reformas e do novo estatuto dos militares da GNR, em que por e simplesmente varreram desses diplomas a possibilidade dos militares e policias passarem à reforma aos 60 anos de idade sem qualquer tipo de corte e ou penalização, o que até à existência desses diplomas e durante os estatutos anteriores puderam sempre, assim como, medida que nem a Troika, nem o governo do tempo da Troika adoptaram.
Se repararem, nas e às profissões reconhecidas como de desgaste rápido, reduziram, e bem, a idade da reforma aos respectivos profissionais. Aos militares e policias, além de não os reconhecerem como profissão de risco de perigo e de desgaste rápido, ainda por cima aumentaram-lhes a idade legal de passagem à reforma, idade essa que nem sequer sabem qual é, porque é variável conforme o lado para o qual o vento sopra.
E como corolário pelo não reconhecimento dessas profissões como de risco, de perigo e de desgaste rápido, quando chegarem ao fim da carreira, ainda querem presentear os policias e os guardas com esta pérola https://www.portugal.gov.pt/pt/gc21/comunicacao/noticia?i=aprovado-programa-vigilancia-
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por mimsy Qui 15 Jul 2021, 17:44

Um verdadeiro polícia diz sempre, no tribunal e na vida, tudo, rigorosamente tudo, tem obrigação de falar toda a verdade sem hesitações nem omissões.                                                                         O sr. Presidente da ASFIC da PJ num texto de opinião de um jornal diário mostrou a sua profunda discordância e irritação por, na atual discussão sobre os valores a atribuir ao subsidio de risco, a PSP e a GNR estarem a fazer comparações com outras policias nomeadamente com a PJ.                                                                   o sr. Presidente diz textualmente que "invocar acerrimamente a PJ num discurso enviesado é contrariar o respeito e reciprocidade sindical, acicatando os ânimos e a controvérsia, o que obrigará  a ASFIC/PJ a ter de vir a público corrigir esse discurso falacioso e truncado e anunciar detalhadamente os vários suplementos  remuneratórios da PSP e da GNR.                                                       Acaba a perguntar: "depois de um closed case será necessário um open case?                                                                                         Para mim a única coisa que é precisa, pois nem vou comentar tão triste , básica e pobre prosa, é que diga tudo, faça deste caso realmente um "open case" e diga rigorosamente tudo que lhe vai na alma, mas a verdade, toda a verdade sem hesitações e omissões...                                                                                        Explique detalhadamente todos os subsídios que ganham os elementos da PSP e da GNR e no fim junte o salário final liquido desses elementos e, sem omissões, compare...                                     Explique detalhadamente pois de um subsidio de risco se trata, quantos elementos da PSP e da GNR já foram mortos, feridos com gravidade ou feridos no cumprimento da missão e, sem omissões, compare...                                                                                            Explique detalhadamente a percentagens de detenções que anualmente são efetuadas pela PSP e GNR e, sem omissões, compare... não esqueça que tem de ser sem omissões pois como obrigatoriamente saberá uma significativa percentagem das detenções que contabilizam são, literalmente, efetuadas por outras forças policiais e entregues em bandeja de ouro...                              Explique detalhadamente as verbas recebidas pela PSP e GNR referentes a horas extras... convenhamos que esta conta é fácil de fazer pela simples razão que essa benesse,  para essas forças, tal como o subsidio de risco, nunca existiu, e, sem omissões, compare...                                                                                          Explique detalhadamente quantas operações e intervenções são efetuadas anualmente pela PSP e GNR e, sem omissões, compare... Explique detalhadamente quantas operações de risco realizou a PSP e GNR em que vos pediu auxilio ou colaboração e, sem omissões, compare...                                                                     
Tem toda a razão, não admita comparações, podem ser perigosas, faz muito bem em pôr os pontos nos is  e colocar a PSP e a GNR no seu devido lugar...                                                                          Faça um "open case", esclareça todos os pontos anteriores  e verá que depois de descobrirem todos os subsídios que recebem e o valor mensal liquido do seu ordenado os elementos da PSP e da GNR irão com certeza desistir de subsídios de risco, horas extras e outras benesses e irão reduzir-se á sua insignificância...                  Com a mania que anda a PSP e a GNR qualquer dia até põe em causa a necessidade de uma PJ fora das policias territoriais, era o que faltava... depois começam discussões sérias, com factos e números, com gente que sabe do que fala, ainda se percebe como o marketing pode facilmente substituir a verdade, e como esta não é muitas vezes aquilo que nos vendem, ainda se percebe como com a postura e demagogia certa se faz que uns trabalhem mas outros recebam os louros, ainda se descobre que nos países mais evoluídos na organização policial e, nomeadamente á nossa volta, não existem PJ nem ASAE nem SEF fora dos quadros orgânicos das congéneres da PSP e da GNR, podem até descobrir que mesmo aqui ao nosso lado, em Espanha, todas essas funções estão integradas na Guardia Civil e no Corpo Nacional de Policia, congéneres da GNR e da PSP, e que são duas das mais prestigiadas polícias do mundo...                                                                            Faz  muito bem o sr. Presidente Carlos Garcia não os deixar esticar, dê-lhes com força, esclareça tudo e atire-lhes com um "open case" sempre que necessário, se passam a vida a ser baleados, apedrejados cuspidos e insultados podem muito bem aguentar de vez em quando com um "open case"...
mimsy
mimsy
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 41
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 891
Meu alistamento : AIP

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por smelly Qui 15 Jul 2021, 23:42

Mimsy, esse texto devia chegar para além deste fórum...bem além. Está aí tudo. 

militar
smelly
smelly
1º Sargento
1º Sargento

Masculino
Idade : 36
Profissão : Militar da Guarda Nacional Republicana
Nº de Mensagens : 1341
Mensagem : A união faz a força..
Meu alistamento : 2004

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por msm Sex 16 Jul 2021, 01:11

Realmente muito bom.
Agora gostaria era de ler o texto do Presidente da ASFIC a que dá réplica.
Podem ajudar?
msm
msm
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 51
Profissão : PSP
Nº de Mensagens : 1683
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por COELHO.X Sex 16 Jul 2021, 09:28

mimsy escreveu:Um verdadeiro polícia diz sempre, no tribunal e na vida, tudo, rigorosamente tudo, tem obrigação de falar toda a verdade sem hesitações nem omissões.                                                                         O sr. Presidente da ASFIC da PJ num texto de opinião de um jornal diário mostrou a sua profunda discordância e irritação por, na atual discussão sobre os valores a atribuir ao subsidio de risco, a PSP e a GNR estarem a fazer comparações com outras policias nomeadamente com a PJ.                                                                   o sr. Presidente diz textualmente que "invocar acerrimamente a PJ num discurso enviesado é contrariar o respeito e reciprocidade sindical, acicatando os ânimos e a controvérsia, o que obrigará  a ASFIC/PJ a ter de vir a público corrigir esse discurso falacioso e truncado e anunciar detalhadamente os vários suplementos  remuneratórios da PSP e da GNR.                                                       Acaba a perguntar: "depois de um closed case será necessário um open case?                                                                                         Para mim a única coisa que é precisa, pois nem vou comentar tão triste , básica e pobre prosa, é que diga tudo, faça deste caso realmente um "open case" e diga rigorosamente tudo que lhe vai na alma, mas a verdade, toda a verdade sem hesitações e omissões...                                                                                        Explique detalhadamente todos os subsídios que ganham os elementos da PSP e da GNR e no fim junte o salário final liquido desses elementos e, sem omissões, compare...                                     Explique detalhadamente pois de um subsidio de risco se trata, quantos elementos da PSP e da GNR já foram mortos, feridos com gravidade ou feridos no cumprimento da missão e, sem omissões, compare...                                                                                            Explique detalhadamente a percentagens de detenções que anualmente são efetuadas pela PSP e GNR e, sem omissões, compare... não esqueça que tem de ser sem omissões pois como obrigatoriamente saberá uma significativa percentagem das detenções que contabilizam são, literalmente, efetuadas por outras forças policiais e entregues em bandeja de ouro...                              Explique detalhadamente as verbas recebidas pela PSP e GNR referentes a horas extras... convenhamos que esta conta é fácil de fazer pela simples razão que essa benesse,  para essas forças, tal como o subsidio de risco, nunca existiu, e, sem omissões, compare...                                                                                          Explique detalhadamente quantas operações e intervenções são efetuadas anualmente pela PSP e GNR e, sem omissões, compare... Explique detalhadamente quantas operações de risco realizou a PSP e GNR em que vos pediu auxilio ou colaboração e, sem omissões, compare...                                                                     
Tem toda a razão, não admita comparações, podem ser perigosas, faz muito bem em pôr os pontos nos is  e colocar a PSP e a GNR no seu devido lugar...                                                                          Faça um "open case", esclareça todos os pontos anteriores  e verá que depois de descobrirem todos os subsídios que recebem e o valor mensal liquido do seu ordenado os elementos da PSP e da GNR irão com certeza desistir de subsídios de risco, horas extras e outras benesses e irão reduzir-se á sua insignificância...                  Com a mania que anda a PSP e a GNR qualquer dia até põe em causa a necessidade de uma PJ fora das policias territoriais, era o que faltava... depois começam discussões sérias, com factos e números, com gente que sabe do que fala, ainda se percebe como o marketing pode facilmente substituir a verdade, e como esta não é muitas vezes aquilo que nos vendem, ainda se percebe como com a postura e demagogia certa se faz que uns trabalhem mas outros recebam os louros, ainda se descobre que nos países mais evoluídos na organização policial e, nomeadamente á nossa volta, não existem PJ nem ASAE nem SEF fora dos quadros orgânicos das congéneres da PSP e da GNR, podem até descobrir que mesmo aqui ao nosso lado, em Espanha, todas essas funções estão integradas na Guardia Civil e no Corpo Nacional de Policia, congéneres da GNR e da PSP, e que são duas das mais prestigiadas polícias do mundo...                                                                            Faz  muito bem o sr. Presidente Carlos Garcia não os deixar esticar, dê-lhes com força, esclareça tudo e atire-lhes com um "open case" sempre que necessário, se passam a vida a ser baleados, apedrejados cuspidos e insultados podem muito bem aguentar de vez em quando com um "open case"...
militar palmas  :bravo:
COELHO.X
COELHO.X
Capitão
Capitão

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 5593
Mensagem : Passam Céleres Altivos e Impenetráveis..é a Cavalaria que Passa!
"Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa..."

Martin Luther King

Meu alistamento : (1999) Século Passado!!Há pois é.


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Maldisposto Sex 16 Jul 2021, 12:37

O aumento do vencimento base esse sim muito mais importante que qualquer subsidio da treta. Tenho dito.
Maldisposto
Maldisposto
Furriel
Furriel

Masculino
Idade : 59
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 443
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Qua 28 Jul 2021, 13:06

Polícias voltam aos protestos devido ao subsídio de risco em dia de reunião no MAI

Juntos numa plataforma, dez sindicatos da PSP e três associações socioprofissionais da GNR exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros.

Elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR) voltam, esta quarta-feira, aos protestos por causa do subsídio de risco, uma concentração que vai decorrer enquanto os sindicatos e associações socioprofissionais estão reunidos no Ministério da Administração Interna (MAI).

Os protestos, marcados para as 10h30, vão decorrer em frente ao MAI, na Praça do Comércio, em Lisboa, e juntam alguns comandos distritais da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana.

Depois de, na semana passada, terem saído desiludidos da reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna e de não ter sido apresentado pelo Governo uma nova proposta, os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR voltam a reunir-se com Antero Luís.

Juntos numa plataforma, 10 sindicatos da Polícia de Segurança Pública e três associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros, idêntico ao que é atribuído a outras polícias, como inspetores da Polícia Judiciária e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Já a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), que não pertencem a esta plataforma, mas que têm marcado presença nos protestos, defendem o pagamento faseado do subsídio de risco até 2024. Em janeiro de 2022 seria pago 200 euros, em 2023 aumentava para 300 euros, fixando-se em 2024 nos 430 euros.
A ASPP e a APG, as estruturas mais representativas da PSP e da GNR, consideram que a proposta apresentada ao MAI é "realista" e "aguardam que seja aceite" pelo Governo.




A ASPP e a APG sublinham que os protestos, que se têm intensificado nas última semanas, pretendem demonstrar ao Governo a importância da atribuição do subsídio de risco para os polícias e contestar a proposta inicial "indecorosa" apresentada pelo MAI.
O MAI propôs, em junho, um novo suplemento por serviço de risco nas forças de segurança, que substituirá o atual suplemento por serviço nas forças de segurança, no valor de 100 euros para os elementos em funções de ronda e patrulha, 90 euros para quem têm funções de comando e 80 euros para os restantes operacionais, significando, na prática, um aumento de 68, 59 e 48 respetivamente, uma vez que o suplemento por serviço nas forças de segurança é atualmente de 31 euros.
O subsídio de risco é uma das principais e mais antiga reivindicação dos polícias e a atribuição deste suplemento está prevista no Orçamento do Estado deste ano, numa decisão dos partidos da oposição e não do Governo socialista.

https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/policias-voltam-aos-protestos-devido-ao-subsidio-de-risco-em-dia-de-reuniao-no-mai-13981645.html
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por mimsy Qua 28 Jul 2021, 14:48

Ainda não há acordo.......
mimsy
mimsy
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 41
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 891
Meu alistamento : AIP

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por toinojaquim Qua 28 Jul 2021, 15:18

mimsy escreveu:Ainda não há acordo.......
Nem vai haver! O governo chamou as associações e sindicatos para dar a entender que estava a negociar mas a decisão já está tomada há muito tempo. Somos e seremos sempre trabalhadores de segunda!
toinojaquim
toinojaquim
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 500
Mensagem : " As massas nunca se elevam ao padrão do seu melhor membro, pelo contrário, degradam-se ao nível do pior"
Meu alistamento : 2003 Portalegre


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por COELHO.X Qua 28 Jul 2021, 15:22

Sempre disse e mantenho, somos uma cambada de "mansos" PSP/GNR, ninguém imagina a força que unidos temos, mas para isso teria de haver uniao, coisa que muita gente desconhece.
Acreditem no pai natal.
COELHO.X
COELHO.X
Capitão
Capitão

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 5593
Mensagem : Passam Céleres Altivos e Impenetráveis..é a Cavalaria que Passa!
"Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa..."

Martin Luther King

Meu alistamento : (1999) Século Passado!!Há pois é.


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Estranho Qua 28 Jul 2021, 15:22

Isto não tem sido propriamente negociações. São tentativas de aceitarem a decisão sem grandes ondas.
Nem esforço há.
Estranho
Estranho
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 40
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 893
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Qua 28 Jul 2021, 15:27

Governo e sindicatos sem acordo no subsídio de risco

Terminou sem acordo a reunião entre o Governo e dois dos sindicatos mais representativos da PSP realizada esta quarta-feira, em Lisboa, no âmbito das negociações para a definição do montante do subsídio de risco a atribuir aos elementos daquela força de segurança.

A proposta da tutela, de 68,96 euros mensais, está fechada e a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais Guarda (APG-GNR) vão agora voltar-se para o Parlamento.

"Temos de continuar a lutar com as nossas ações de protesto e irmos junto dos grupos parlamentares para que na próxima lei do Orçamento do Estado venha contemplado outro valor ", adiantou aos jornalistas, à saída do Ministério da Administração Interna, o presidente da APG-GNR, César Nogueira.

As associações sindicais, que têm como referência subsídio de 430,36 euros mensais atribuído na Polícia Judiciária, exigem a criação de um subsídio mensal autónomo de 200 euros em janeiro de 2022 e que aumente para 300 euros em janeiro de 2023 e para 400 um ano mais tarde.

A subida gradual é já considerada uma "cedência" ao projeto inicial do Governo, que previa a atribuição, consoante a função, de até 68,96 euros de subsídio de risco num suplemento já existente e que, assim, se fixaria, no máximo, nos 100 euros.

Esta quarta-feira, o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, propôs que os 68,96 euros adicionais no suplemento da condição policial sejam atribuídos a todos os polícias e militares da PSP e GNR, sem qualquer distinção funcional.

"Hoje, apresentámos a proposta final", confirmou, em declarações aos jornalistas, o governante, sublinhando que esta representa "um encargo financeiro de 50 milhões de euros" anuais. Antero Luís defendeu, ainda, que o suplemento em causa já inclui o risco.

"Não podemos estar a criar um novo subsídio de risco quando o atual já fala no risco", argumentou. César Nogueira fala em "subterfúgios" para evitar pagar o que os sindicatos reivindicam.

As associações sindicais prometem, por isso, não desistir do que consideram ser uma proposta "séria e responsável".

"A luta tem de ser constante, até termos um subsídio de risco que corresponda àquilo que é efetivamente o risco. Não podemos ser desvalorizados desta forma", salientou, à saída da reunião, o líder da ASPP/PSP, Paulo Santos.

As negociações com o Governo continuam na próxima semana, mas apenas para debater se a quantia definida pela tutela será, ou não, atualizável anualmente.

A reunião desta quarta-feira decorreu em simultâneo com um protesto nas imediações do Ministério da Administração Interna, no Terreiro do Paço, em Lisboa, que juntou cerca de 100 profissionais da PSP e da GNR. Ao serem informados do desfecho das negociáveis, gritaram, reiteradamente e em uníssono, "vergonha".

https://www.jn.pt/justica/governo-e-sindicatos-sem-acordo-no-subsidio-de-risco-da-psp-13983618.html
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qua 28 Jul 2021, 15:42

Meus Senhores, esta reivindicação pelo subsídio de risco é um tiro no pé e um embuste. Os militares da Guarda já têm um suplemento que contempla o risco, e que é:
 
Decreto-Lei n.º 298/2009 de 14 de Outubro
 
Artigo 20.º
 
Suplemento por serviço nas forças de segurança
 
1 - O suplemento por serviço nas forças de segurança é um acréscimo remuneratório mensal atribuído aos militares da Guarda em efectividade de serviço com fundamento no regime especial da prestação de serviço, no ónus e restrições específicas das funções de segurança, no risco, penosidade e disponibilidade permanente, composto da seguinte forma:
 
Pelo que se deve lutar e reivindicar por forma a compensar o risco que se corre, são as condições/direitos que os militares da Guarda já tiveram até 31 de Dezembro de 2005, e que começaram a retirar desde aí até agora, culminando em 2017 com o pior estatuto de sempre. E que, em conjunto com o DL das reformas que também entrou em vigor em 2017, faz com que pela primeira vez nos seus estatutos, os militares da Guarda já não possam passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações. Medidas essas que, pasme-se, nem a Troika, nem no tempo da Troika, nem o governo em funções no tempo da Troika (2011 - 2015) aplicou aos militares e policias. Com este brinde com que presentearam os militares e policias, isto sim, é uma excelente medida para sujeitar e expor cada vez mais os militares e policias ao risco, porque vão estar cada vez mais velhos, e mais debilitados e desgastados física e psicologicamente no serviço activo.
 
E algumas das medidas/condições (essas sim bastante justas) existentes até 2005 de forma a compensar o risco e a condição militar a que os militares da Guarda estão sujeitos e correm, entre outras, eram: a subida de escalão de 3 em 3 anos sem estar sujeito a sistema de avaliação manhoso. Um sistema de saúde SAD para o militar, cônjuge e filhos sem encargos para o militar, em que hoje paga por esse subsistema 14 vezes por ano o equivalente ao subsidio de risco que querem agora dar. Médico da Guarda nas sedes dos DTERs 1 ou 2 vezes por semana. A passagem à reserva com 36 anos de serviço independentemente da idade, e 5 anos depois passagem à reforma sem qualquer tipo de corte e ou penalização, ao contrário de agora, em que para os que passem à reserva a partir de 01JAN17 estão sujeitos a autênticas armadilhas, em que podem sofrer cortes brutais na sua pensão de reforma. Chegar ao topo da carreira no último escalão. Mais dias de férias do que hoje, em que agora para ser ter mais 1 ou 2 míseros dias se está sujeito à avaliação.  
 
Isto sim eram, e deveriam continuar a ser, condições/discriminações positivas dignas para compensar o risco que os militares da Guarda correm, e pelas quais deveriam lutar acerrimamente e não por mais um subsidio. Porque têm a ver precisamente com a saúde e a idade com que os militares vão ter de andar no serviço activo cada vez mais anos, mais velhos e mais desgastados e debilitados física e psicologicamente, e por causa disso, cada vez mais expostos ao risco e ao desgaste.
 
Agora, com a atribuição deste osso/migalha por parte do governo, esgota-se o argumento pela luta por melhores condições inerentes ao risco da profissão, porque quando isso voltar a acontecer o governo vai dizer: “Então o que é que vocês querem agora, em cima dos suplementos que já tinham já vos demos mais um subsidio de risco..."

E aqui está o tiro no pé e o embuste, a que temos de agradecer às associações por não saberem defender e lutar pelo que realmente interessa.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por mimsy Qua 28 Jul 2021, 16:02

Guarda que anda à linha escreveu:
Meus Senhores, esta reivindicação pelo subsídio de risco é um tiro no pé e um embuste. Os militares da Guarda já têm um suplemento que contempla o risco, e que é:
 
Decreto-Lei n.º 298/2009 de 14 de Outubro
 
Artigo 20.º
 
Suplemento por serviço nas forças de segurança
 
1 - O suplemento por serviço nas forças de segurança é um acréscimo remuneratório mensal atribuído aos militares da Guarda em efectividade de serviço com fundamento no regime especial da prestação de serviço, no ónus e restrições específicas das funções de segurança, no risco, penosidade e disponibilidade permanente, composto da seguinte forma:
 
Pelo que se deve lutar e reivindicar por forma a compensar o risco que se corre, são as condições/direitos que os militares da Guarda já tiveram até 31 de Dezembro de 2005, e que começaram a retirar desde aí até agora, culminando em 2017 com o pior estatuto de sempre. E que, em conjunto com o DL das reformas que também entrou em vigor em 2017, faz com que pela primeira vez nos seus estatutos, os militares da Guarda já não possam passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações. Medidas essas que, pasme-se, nem a Troika, nem no tempo da Troika, nem o governo em funções no tempo da Troika (2011 - 2015) aplicou aos militares e policias. Com este brinde com que presentearam os militares e policias, isto sim, é uma excelente medida para sujeitar e expor cada vez mais os militares e policias ao risco, porque vão estar cada vez mais velhos, e mais debilitados e desgastados física e psicologicamente no serviço activo.
 
E algumas das medidas/condições (essas sim bastante justas) existentes até 2005 de forma a compensar o risco e a condição militar a que os militares da Guarda estão sujeitos e correm, entre outras, eram: a subida de escalão de 3 em 3 anos sem estar sujeito a sistema de avaliação manhoso. Um sistema de saúde SAD para o militar, cônjuge e filhos sem encargos para o militar, em que hoje paga por esse subsistema 14 vezes por ano o equivalente ao subsidio de risco que querem agora dar. Médico da Guarda nas sedes dos DTERs 1 ou 2 vezes por semana. A passagem à reserva com 36 anos de serviço independentemente da idade, e 5 anos depois passagem à reforma sem qualquer tipo de corte e ou penalização, ao contrário de agora, em que para os que passem à reserva a partir de 01JAN17 estão sujeitos a autênticas armadilhas, em que podem sofrer cortes brutais na sua pensão de reforma. Chegar ao topo da carreira no último escalão. Mais dias de férias do que hoje, em que agora para ser ter mais 1 ou 2 míseros dias se está sujeito à avaliação.  
 
Isto sim eram, e deveriam continuar a ser, condições/discriminações positivas dignas para compensar o risco que os militares da Guarda correm, e pelas quais deveriam lutar acerrimamente e não por mais um subsidio. Porque têm a ver precisamente com a saúde e a idade com que os militares vão ter de andar no serviço activo cada vez mais anos, mais velhos e mais desgastados e debilitados física e psicologicamente, e por causa disso, cada vez mais expostos ao risco e ao desgaste.
 
Agora, com a atribuição deste osso/migalha por parte do governo, esgota-se o argumento pela luta por melhores condições inerentes ao risco da profissão, porque quando isso voltar a acontecer o governo vai dizer: “Então o que é que vocês querem agora, em cima dos suplementos que já tinham já vos demos mais um subsidio de risco..."
E aqui está o tiro no pé e o embuste, a que temos de agradecer às associações por não saberem defender e lutar pelo que realmente interessa.

E pronto.....eis aqui a razão pela qual continuaremos sempre a ser os "entalados"! Quando muitos tentam remar numa direção....há sempre os "visionários" que aparecem, causam a desunião e enfraquecem a causa.
mimsy
mimsy
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 41
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 891
Meu alistamento : AIP

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Lynx Qua 28 Jul 2021, 17:10

Camarada que anda a linha tudo bem que o nosso ssfs fala no risco...
Agora eu pergunto lhe porque que o nosso valor   ssfs nao fica igual ao da pj ou sef,??
Lynx
Lynx
Alferes
Alferes

Masculino
Idade : 43
Profissão : GUARDA
Nº de Mensagens : 3688
Mensagem : so vence quem acredita na vitoria

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qua 28 Jul 2021, 18:18

Lynx escreveu:Camarada que anda a linha tudo bem que o nosso ssfs fala no risco...
Agora eu pergunto lhe porque que o nosso valor   ssfs nao fica igual ao da pj ou sef,??

Não sei, até porque os vencimentos deles também não são iguais aos nossos. E também não sei quais é que são os restantes suplementos remuneratórios deles comparativamente com os nossos.

Mas não é isso que me aflige ou preocupa. Se quisesse ter ido para a PJ ou para o SEF ganhar os vencimentos e os subsídios que eles ganham, não tinha vindo para a GNR, tinha ido para a PJ ou para o SEF. E quando vim para a GNR já sabia ao que vinha.

E ao vir para a GNR e já sabendo ao que vinha, o que sei é que quando vim para a Guarda, altura em já havia o SSFS, equiparado ao da PSP, da GF, da condição militar das FAs e de risco nas restantes forças/serviço de segurança. No primeiro dia do alistamento em plena formatura, o capitão, comandante da companhia de instrução, em voz alta e bom som nos disse que, de forma a compensar o risco da profissão, o desgaste, o perigo, a penosidade o dever de disponibilidade, os horários irregulares, os serviços de noite, aos fins-de-semana e feriados sem receber mais por isso, as horas a mais que nas outras profissões se recebe e na Guarda não, a impossibilidade de fazer greve que os profissionais das outras profissões podem fazer e na Guarda não, o estar sujeito aos inúmeros deveres que a condição militar prevê, entre outros, deveres esses que ainda se mantém hoje, tinha os seguintes direitos e condições: Um sistema de saúde/SAD, uma subida de escalões, um sistema de férias, e umas condições de passagem à reserva e reforma diferentes do que os profissionais das restantes profissões têm.

Entretanto, desde o primeiro dia até hoje fui assistido a que diariamente militares da GNR são injuriados, ameaçados, agredidos, feridos, e mortos em serviço (algumas situações dessas que inclusivamente também já me aconteceram a mim) e que, pasme-se, apesar de nos dias de hoje essas situações continuarem a ocorrer, e que inevitavelmente vão continuar a acontecer sempre, porque este serviço alguém o vai ter de fazer sempre. Desde 2005 para cá, todos os direitos e condições, entre outros, que atrás enumerei, precisamente para compensar o risco, o perigo, o desgaste a penosidade e a disponibilidade que atrás referi, já foram. Ou seja, continuamos hoje a ser injuriados, ameaçados, agredidos, feridos e mortos em serviço sem direitos e condições nenhumas comparativamente às que já tivemos antes.

E não há subsídio de risco nenhum que compense isso ou que evite qualquer risco que seja. O que há e deverá haver são condições e direitos como os que atrás referi, o que por si só já menoriza o risco, quanto mais não seja ao permitir que os militares não andem velhos, desgastados física e psicologicamente no serviço activo, o que, sem dúvida nenhuma, a acontecer, os vai tornar um factor de risco para si, para os seus camaradas mais novos, para a instituição e, por fim, para a população em geral. Porque não pode ser defendida e protegida por polícias e por guardas velhos. E eram estes direitos e condições inerentes a estas funções que eu gostaria de ver as associações defenderem com unhas e dentes, e não andarem a defender falsas ilusões.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Estranho Qua 28 Jul 2021, 18:50

Guarda que anda à linha escreveu:
Lynx escreveu:Camarada que anda a linha tudo bem que o nosso ssfs fala no risco...
Agora eu pergunto lhe porque que o nosso valor   ssfs nao fica igual ao da pj ou sef,??

Não sei, até porque os vencimentos deles também não são iguais aos nossos. E também não sei quais é que são os restantes suplementos remuneratórios deles comparativamente com os nossos.
Mas não é isso que me aflige ou preocupa. Se quisesse ter ido para a PJ ou para o SEF ganhar os vencimentos e os subsídios que eles ganham, não tinha vindo para a GNR, tinha ido para a PJ ou para o SEF. E quando vim para a GNR já sabia ao que vinha.
E ao vir para a GNR e já sabendo ao que vinha, o que sei é que quando vim para a Guarda, altura em já havia o SSFS, equiparado ao da PSP, da GF, da condição militar das FAs e de risco nas restantes forças/serviço de segurança. No primeiro dia do alistamento em plena formatura, o capitão, comandante da companhia de instrução, em voz alta e bom som nos disse que, de forma a compensar o risco da profissão, o desgaste, o perigo, a penosidade o dever de disponibilidade, os horários irregulares, os serviços de noite, aos fins-de-semana e feriados sem receber mais por isso, as horas a mais que nas outras profissões se recebe e na Guarda não, a impossibilidade de fazer greve que os profissionais das outras profissões podem fazer e na Guarda não, o estar sujeito aos inúmeros deveres que a condição militar prevê, entre outros, deveres esses que ainda se mantém hoje, tinha os seguintes direitos e condições: Um sistema de saúde/SAD, uma subida de escalões, um sistema de férias, e umas condições de passagem à reserva e reforma diferentes do que os profissionais das restantes profissões têm.
Entretanto, desde o primeiro dia até hoje fui assistido a que diariamente militares da GNR são injuriados, ameaçados, agredidos, feridos, e mortos em serviço (algumas situações dessas que inclusivamente também já me aconteceram a mim) e que, pasme-se, apesar de nos dias de hoje essas situações continuarem a ocorrer, e que inevitavelmente vão continuar a acontecer sempre, porque este serviço alguém o vai ter de fazer sempre. Desde 2005 para cá, todos os direitos e condições, entre outros, que atrás enumerei, precisamente para compensar o risco, o perigo, o desgaste a penosidade e a disponibilidade que atrás referi, já foram. Ou seja, continuamos hoje a ser injuriados, ameaçados, agredidos, feridos e mortos em serviço sem direitos e condições nenhumas comparativamente às que já tivemos antes.
E não há subsídio de risco nenhum que compense isso ou que evite qualquer risco que seja. O que há e deverá haver são condições e direitos como os que atrás referi, o que por si só já menoriza o risco, quanto mais não seja ao permitir que os militares não andem velhos, desgastados física e psicologicamente no serviço activo, o que, sem dúvida nenhuma, a acontecer, os vai tornar um factor de risco para si, para os seus camaradas mais novos, para a instituição e, por fim, para a população em geral. Porque não pode ser defendida e protegida por polícias e por guardas velhos. E eram estes direitos e condições inerentes a estas funções que eu gostaria de ver as associações defenderem com unhas e dentes, e não andarem a defender falsas ilusões.


Concordo em pleno. Quando entrámos (a maioria de nós) foi com umas condições que entretanto alteraram e desapareceram, com retroatividade. Muitos falam " Já sabias ao que vinhas. Vieste porque quiseste." - Não. Não foi com estas condições que vim. Que as alterações fossem feitas a partir da data da decisão já era suficientemente mau, mas faze-lo de forma transversal e retroativa, é só desonesto.
A qualidade de vida não se traduz apenas na remuneração… e até essa tem se vindo a demonstrar ofensiva para as valências e exigências que se revelam.

Estas "negociações" têm apenas revelado que o desprezo e desconsideração não existe apenas internamente.
Estranho
Estranho
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 40
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 893
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por PLPG Qua 28 Jul 2021, 19:29

Até podem dizer que pagam €5000 brutos e depositam pouco mais que €800. Querem dar a entender que a gente tem muitos suplementos. Mas a realidade é que o pessoal leva para casa o ordenado base
PLPG
PLPG
2º Sargento
2º Sargento

Feminino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 565
Meu alistamento : 2004


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qua 28 Jul 2021, 21:02

"Concordo em pleno. Quando entrámos (a maioria de nós) foi com umas condições que entretanto alteraram e desapareceram, com retroatividade. Muitos falam " Já sabias ao que vinhas. Vieste porque quiseste." - Não. Não foi com estas condições que vim. Que as alterações fossem feitas a partir da data da decisão já era suficientemente mau, mas faze-lo de forma transversal e retroativa, é só desonesto.
A qualidade de vida não se traduz apenas na remuneração… e até essa tem se vindo a demonstrar ofensiva para as valências e exigências que se revelam.

Estas "negociações" têm apenas revelado que o desprezo e desconsideração não existe apenas internamente."

Ora aí está Estranho na mouche. O que me faz espécie é como é que ainda há camaradas que ainda não viram o buraco para onde os estão a empurrar, e se contentam com um "suposto" punhado de euros por forma a compensar a ida para esse buraco.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por COELHO.X Qua 28 Jul 2021, 22:12

Mais do que um subsídio de risco, deveríamos estar a lutar por um salário digno condizente com a nossa profissão posições remuneratórias dignas, uma SAD com descontos 12 meses e nao 14 e com mensalidades um pouco mais reduzidas, exigir melhores condições quer ao MAI/GNR no trabalho pois as que temos são fracas e pouca qualidade sejam viaturas, postos e material individual bem como o acesso a uma Reforma mais cedo e não tão tarde como nos impuseram apartir de 2007 pois todos caminhamos para velhos pois nao seremos novos a vida toda. militar, pois o subsídio tá visto e revisto que serão migalhas (infelismente) .
COELHO.X
COELHO.X
Capitão
Capitão

Masculino
Idade : 43
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 5593
Mensagem : Passam Céleres Altivos e Impenetráveis..é a Cavalaria que Passa!
"Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa..."

Martin Luther King

Meu alistamento : (1999) Século Passado!!Há pois é.


Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qui 29 Jul 2021, 00:50

Pois é Coelho.X totalmente de acordo. Enquanto isso acontece vão-nos tirando tudo. E aqui culpo as associações devido à sua falta de perspicácia e visão para o que está a acontecer e para tudo o que nos rodeia.

Vou dar mais uma vez este exemplo, da reforma mais cedo, em que como diz e bem, todos caminhamos para velhos e não seremos novos a vida toda, e que a partir de 2017 já era. No período 2011 – 2015, período da Troika, período negro que jamais esqueceremos, apesar de tudo, em 2015, o governo de então, altura em que ainda cá estava a Troika, deu às forças armadas um novo estatuto DL 90/2015 https://dre.pt/home/-/dre/67348942/details/maximized  e à PSP o novo estatuto DL 243/2015  https://dre.pt/home/-/dre/70737912/details/maximized assim como, também estava previsto um novo estatuto para a GNR que, por  vicissitudes várias já não foi possível naquele ano. E o que é que estes estatutos tinham em comum? A continuação da pré-aposentação e reserva aos 55 anos de idade e 5 anos depois, ou aos 60 anos de idade passagem à reforma sem cortes, penalizações e ou redução de pensão.

Entretanto, no fim de 2015 novo governo entrou em funções. Grande alívio pensámos nós, a Troika já foi, temos um governo de esquerda, esquerda essa que habitualmente está ao lado dos direitos de quem trabalha, e a partir de agora tudo vão ser rosas. Pois é, que grande azar o nosso, dos profissionais das funções de soberania, defesa – segurança – e socorro, militares, policias e bombeiros.

E assim que a Troika partiu e um novo governo entrava em funções, ao mesmo tempo que aos funcionários públicos repunham as 35 horas semanais, e bem, que tinham sido retiradas no tempo da Troika. Assim como se começou a lutar por dar aos profissionais de certas profissões de risco, e bem, a possibilidade de se reformarem mais cedo.

Aos “malandros” dos militares, dos polícias e dos bombeiros, logo começaram a engendrar a coisa para que se reformassem mais tarde. E assim, logo em Janeiro de 2017, através do DL 3/2017 para os militares da FAs, GNR e PM (o da PSP é o 4/2017) e posteriormente através do novo estatuto para a GNR DL 30/2017, varreram logo do mapa a possibilidade da passagem à reforma aos 60 anos de idade sem qualquer tipo de corte e ou penalização, que o governo do tempo da Troika em 2015 tinha acautelado para os militares e policias nos respectivos estatutos como atrás referi, ficando agora os profissionais das funções de soberania de defesa, segurança e socorro sujeitos a uma idade de reforma variável, que não se sabe qual é  na altura em que passam à reserva e pré-aposentação, ficando assim sujeitos a uma autêntica armadilha na altura da transição da reserva e pré-aposentação à reforma, em que, apesar de terem mais que os anos de serviço/descontos exigidos por lei, podem vir a sofrer cortes brutais nas suas pensões de reforma através dos factores de sustentabilidade e de antecipação de idade, habilmente introduzidos nesta legislação de 2017.

E neste espaço de tempo o que é que as associações, particularmente as de praças, andavam a fazer? Ah, já me esquecia. Andavam preocupadas com subsídios de treta, e a lutar com unhas e dentes para que os oficiais da Guarda pudessem ser promovidos o mais depressa possível a generais, para que os do exército que já cá estavam há mais de cem anos fossem corridos o mais rápido possível.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Xavi76 Qui 29 Jul 2021, 09:04

Estranho escreveu:
Guarda que anda à linha escreveu:
Lynx escreveu:Camarada que anda a linha tudo bem que o nosso ssfs fala no risco...
Agora eu pergunto lhe porque que o nosso valor   ssfs nao fica igual ao da pj ou sef,??

Não sei, até porque os vencimentos deles também não são iguais aos nossos. E também não sei quais é que são os restantes suplementos remuneratórios deles comparativamente com os nossos.
Mas não é isso que me aflige ou preocupa. Se quisesse ter ido para a PJ ou para o SEF ganhar os vencimentos e os subsídios que eles ganham, não tinha vindo para a GNR, tinha ido para a PJ ou para o SEF. E quando vim para a GNR já sabia ao que vinha.
E ao vir para a GNR e já sabendo ao que vinha, o que sei é que quando vim para a Guarda, altura em já havia o SSFS, equiparado ao da PSP, da GF, da condição militar das FAs e de risco nas restantes forças/serviço de segurança. No primeiro dia do alistamento em plena formatura, o capitão, comandante da companhia de instrução, em voz alta e bom som nos disse que, de forma a compensar o risco da profissão, o desgaste, o perigo, a penosidade o dever de disponibilidade, os horários irregulares, os serviços de noite, aos fins-de-semana e feriados sem receber mais por isso, as horas a mais que nas outras profissões se recebe e na Guarda não, a impossibilidade de fazer greve que os profissionais das outras profissões podem fazer e na Guarda não, o estar sujeito aos inúmeros deveres que a condição militar prevê, entre outros, deveres esses que ainda se mantém hoje, tinha os seguintes direitos e condições: Um sistema de saúde/SAD, uma subida de escalões, um sistema de férias, e umas condições de passagem à reserva e reforma diferentes do que os profissionais das restantes profissões têm.
Entretanto, desde o primeiro dia até hoje fui assistido a que diariamente militares da GNR são injuriados, ameaçados, agredidos, feridos, e mortos em serviço (algumas situações dessas que inclusivamente também já me aconteceram a mim) e que, pasme-se, apesar de nos dias de hoje essas situações continuarem a ocorrer, e que inevitavelmente vão continuar a acontecer sempre, porque este serviço alguém o vai ter de fazer sempre. Desde 2005 para cá, todos os direitos e condições, entre outros, que atrás enumerei, precisamente para compensar o risco, o perigo, o desgaste a penosidade e a disponibilidade que atrás referi, já foram. Ou seja, continuamos hoje a ser injuriados, ameaçados, agredidos, feridos e mortos em serviço sem direitos e condições nenhumas comparativamente às que já tivemos antes.
E não há subsídio de risco nenhum que compense isso ou que evite qualquer risco que seja. O que há e deverá haver são condições e direitos como os que atrás referi, o que por si só já menoriza o risco, quanto mais não seja ao permitir que os militares não andem velhos, desgastados física e psicologicamente no serviço activo, o que, sem dúvida nenhuma, a acontecer, os vai tornar um factor de risco para si, para os seus camaradas mais novos, para a instituição e, por fim, para a população em geral. Porque não pode ser defendida e protegida por polícias e por guardas velhos. E eram estes direitos e condições inerentes a estas funções que eu gostaria de ver as associações defenderem com unhas e dentes, e não andarem a defender falsas ilusões.


Concordo em pleno. Quando entrámos (a maioria de nós) foi com umas condições que entretanto alteraram e desapareceram, com retroatividade. Muitos falam " Já sabias ao que vinhas. Vieste porque quiseste." - Não. Não foi com estas condições que vim. Que as alterações fossem feitas a partir da data da decisão já era suficientemente mau, mas faze-lo de forma transversal e retroativa, é só desonesto.
A qualidade de vida não se traduz apenas na remuneração… e até essa tem se vindo a demonstrar ofensiva para as valências e exigências que se revelam.

Estas "negociações" têm apenas revelado que o desprezo e desconsideração não existe apenas internamente.
militar totalmente de acordo  Fixe militar
Xavi76
Xavi76
Cabo-Mor
Cabo-Mor

Masculino
Idade : 45
Profissão : GRD. Infª G.N.R.
Nº de Mensagens : 396
Mensagem : ..."estou na Guarda pelo trabalho e não pelo emprego"... :-)

Meu alistamento : 04NOV02 CFP "AIP"; 29OUT04 8ºCF "EPG" e 17FEV20 7º CPCb "EG e CFFF"

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Fenixx Qui 29 Jul 2021, 11:02

Lutar pela reforma aos 55 anos como estava antes. Isso sim
Fenixx
Fenixx
1º Sargento
1º Sargento

Masculino
Idade : 44
Profissão : GNR
Nº de Mensagens : 1421
Meu alistamento : 2001

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Espada Qui 29 Jul 2021, 11:50

Aumento no vencimento base, quando acabei o curso comecei a ganhar quase o dobro do ordenado mínimo na altura, agora quem entra ganha praticamente o mesmo. Temos que ser aumentados todos pelo menos 3 níveis, logo a começar pelo inicio de carreira.
Espada
Espada
Cabo-Chefe
Cabo-Chefe

Masculino
Idade : 42
Profissão : G.N.R
Nº de Mensagens : 254
Meu alistamento : CFP 2001

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por foxtrot Qui 29 Jul 2021, 21:31

Guarda que anda à linha escreveu:
Lynx escreveu:Camarada que anda a linha tudo bem que o nosso ssfs fala no risco...
Agora eu pergunto lhe porque que o nosso valor   ssfs nao fica igual ao da pj ou sef,??

Não sei, até porque os vencimentos deles também não são iguais aos nossos. E também não sei quais é que são os restantes suplementos remuneratórios deles comparativamente com os nossos.
Os ordenados dos inspectores do SEF ( e da PJ) são equiparados aos ordenados dos elementos da GNR e da PSP que tem o  o mesmo grau da complexidade funcional que nos temos ( grau 3).
foxtrot
foxtrot
Cabo-Chefe
Cabo-Chefe

Masculino
Idade : 55
Profissão : SEF
Nº de Mensagens : 252
Meu alistamento : 1989 GF
1995 SEF
2021???

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por msm Sex 30 Jul 2021, 00:12

Carimbar não é complexo.
Há lá inspectores que eram guardas da PSP e soldados da GF.
E os inspectores do SEF irão constatar que guardas da GNR e agentes da PSP carimbarão tão bem como eles, por muito menos dinheiro/vencimento.
msm
msm
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 51
Profissão : PSP
Nº de Mensagens : 1683
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por foxtrot Sex 30 Jul 2021, 00:58

msm escreveu:Carimbar não é complexo.
Há lá inspectores que eram guardas da PSP e soldados da GF.
E os inspectores do SEF irão constatar que guardas da GNR e agentes da PSP carimbarão tão bem como eles, por muito menos dinheiro/vencimento.
Olhe que o SEF não é só carimbar ( e porquê que havia de ser complexo carimbar ou patrulhar ruas?)
foxtrot
foxtrot
Cabo-Chefe
Cabo-Chefe

Masculino
Idade : 55
Profissão : SEF
Nº de Mensagens : 252
Meu alistamento : 1989 GF
1995 SEF
2021???

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por msm Sab 31 Jul 2021, 02:09

Patrulhar... e levantar os autos, participações e demais expediente, de todas a intervenções ocorridas durante esse período, o que requer que conhecimentos técnicos e legais, porque é um policia, não é um vigilante.
msm
msm
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 51
Profissão : PSP
Nº de Mensagens : 1683
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso P

Mensagem por foxtrot Dom 01 Ago 2021, 00:09

msm escreveu:Patrulhar... e levantar os autos, participações e demais expediente, de todas a intervenções ocorridas durante esse período, o que requer que conhecimentos técnicos e legais, porque é um policia, não é um vigilante.

O dia a dia das nossas direções e delegações regionais, para não falar na investigação criminal. Mas isso do meu mercedes é melhor que o teu não leva a lado nenhum. 

Tenho alguns meses de formação dada pela PSP. Curso de oficiais de tiro PSP, ministrado por pessoal do GOE e no GOE (ainda não existia UEP)  e o 5 curso de formadores de técnicas policiais PSP, ministrado em Torres Novas, com formadores do GOE e do CI. Ganhei amigos da PSP que ainda hoje mantenho. A matéria humana é a mesma e não há nada que não se faça.
foxtrot
foxtrot
Cabo-Chefe
Cabo-Chefe

Masculino
Idade : 55
Profissão : SEF
Nº de Mensagens : 252
Meu alistamento : 1989 GF
1995 SEF
2021???

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por msm Dom 01 Ago 2021, 02:29

Exactamente.
msm
msm
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 51
Profissão : PSP
Nº de Mensagens : 1683
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Seg 02 Ago 2021, 18:39

Subsídio de risco para forças de segurança. Governo mantém proposta de aumento para 100 euros

Montante apresentado aos sindicatos está "fechado neste momento" e significa "um encargo financeiro de cerca de 50 milhões de euros".

OMinistério da Administração Interna (MAI) propôs hoje que o atual suplemento por serviço nas forças de segurança aumente de 31 para 100 euros, considerando que este subsídio já contempla o risco da profissão.

"Hoje apresentámos uma proposta final. O suplemento das forças de segurança tem uma componente fixa e uma componente variável. A componente variável é 20% do salário de cada elemento e a componente fixa é uma outra parte. O que Governo decidiu foi aumentar a componente fixa para todos os polícias para 100 euros", disse aos jornalistas o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna.

Antero Luís esteve hoje reunido, ao logo de mais de duas horas, com os dirigentes dos sindicatos da Polícia de Segurança Pública e das associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana sobre a atribuição do subsídio de risco aos elementos das forças de segurança.

Inicialmente, o MAI tinha proposto o valor de 100 euros para os elementos em funções de ronda e patrulha, 90 euros para quem têm funções de comando e 80 euros para os restantes operacionais, significando, na prática, um aumento de 68, 59 e 48 respetivamente, uma vez que o suplemento por serviço nas forças de segurança é atualmente de 31,98 euros.

O valor hoje apresentado é de 100 para todos os elementos da PSP e da GNR, representando um aumento de 68 euros.

O secretário de Estado avançou que este montante apresentado pelo Governo está "fechado neste momento" e significa "um encargo financeiro de cerca de 50 milhões de euros".

Antero Luís sublinhou que atribuição deste valor "faz com que o subsídio médio das forças policiais da componente de risco e da condição policial seja de 340 euros", ganhando alguns mais e outros menos, dependendo do cargo e do posto.

Os sindicados da PSP e as associações socioprofissionais da GNR consideram que os atuais suplementos que recebem não engloba o risco, mas o Governo "não tem esse entendimento", frisou o secretário de Estado, destacando que "o subsídio da condição policial incorpora o risco".

"O subsídio da condição policial incorpora quatro elementos: a disponibilidade permanente, a condição, risco e a penosidade", disse, dando conta que foi proposto a alteração da designação do suplemento por serviço nas forças de segurança para suplemento por serviço de risco nas forças de segurança.

Antero Luís disse que na Polícia Judiciária acontece o mesmo, sendo que na PJ é de salubridade e nas forças de segurança é de disponibilidade permanente, mas "o risco está lá".

No entanto, explicou, os elementos da PSP e da GNR "pretendem automatizar o risco como fosse um novo subsídio".

"Com este aumento faz com que os policias tenham um aumento médio de 270 euros, com os 400 euros que eles pretendiam eram 670 euros. Isto não faz sentido nenhum, não podemos estar a criar um novo subsídio quando o atual subsídio já fala no risco", precisou.

Antero Luís disse ainda que o MAI quer "aumentar a componente fixa porque é a componente igualitária, ou seja, é igual para todos os policias".

Na próxima semana vai realizar-se uma nova reunião, uma vez que os sindicatos da PSP pediram uma negociação suplementar para tentar que este montante dos 100 euros seja atualizado anualmente.

Sobre esta atualização, o secretário de Estado escusou-se a adiantar qual será a posição do Governo.

Juntos numa plataforma, 10 sindicatos da Polícia de Segurança Pública e três associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros.

Já a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), que não pertencem a esta plataforma, mas que têm marcado presença nos protestos, defendem o pagamento faseado do subsídio de risco até 2024. Em janeiro de 2022 seria pago 200 euros, em 2023 aumentava para 300 euros, fixando-se em 2024 nos 430 euros.

Enquanto os dirigentes dos sindicatos e associações socioprofissionais estiveram reunidos com o secretário de Estado, cerca de uma centena de elementos da PSP e GNR estiveram concentrados em frente ao MAI.

O subsídio de risco é uma das principais e mais antiga reivindicação dos polícias e a atribuição deste suplemento está prevista no Orçamento do Estado deste ano, numa decisão dos partidos da oposição e não do Governo socialista.

https://www.tsf.pt/portugal/politica/governo-propoe-aumento-para-100-euros-do-subsidio-de-risco-para-forcas-de-seguranca-13983564.html
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Seg 02 Ago 2021, 18:55

Meus Senhores, esta reivindicação pelo subsídio de risco é um tiro no pé e um embuste. Os militares da Guarda já têm um suplemento que contempla o risco, e que é:
 
Decreto-Lei n.º 298/2009 de 14 de Outubro
 
Artigo 20.º
 
Suplemento por serviço nas forças de segurança
 
1 - O suplemento por serviço nas forças de segurança é um acréscimo remuneratório mensal atribuído aos militares da Guarda em efectividade de serviço com fundamento no regime especial da prestação de serviço, no ónus e restrições específicas das funções de segurança, no risco, penosidade e disponibilidade permanente, composto da seguinte forma:
 
Pelo que se deve lutar e reivindicar por forma a compensar o risco que se corre, são as condições/direitos que os militares da Guarda já tiveram até 31 de Dezembro de 2005, e que começaram a retirar desde aí até agora, culminando em 2017 com o pior estatuto de sempre. E que, em conjunto com o DL das reformas que também entrou em vigor em 2017, faz com que pela primeira vez nos seus estatutos, os militares da Guarda já não possam passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações. Medidas essas que, pasme-se, nem a Troika, nem no tempo da Troika, nem o governo em funções no tempo da Troika (2011 - 2015) aplicou aos militares e policias. Com este brinde com que presentearam os militares e policias, isto sim, é uma excelente medida para sujeitar e expor cada vez mais os militares e policias ao risco, porque vão estar cada vez mais velhos, e mais debilitados e desgastados física e psicologicamente no serviço activo.
 
E algumas das medidas/condições (essas sim bastante justas) existentes até 2005 de forma a compensar o risco e a condição militar a que os militares da Guarda estão sujeitos e correm, entre outras, eram: a subida de escalão de 3 em 3 anos sem estar sujeito a sistema de avaliação manhoso. Um sistema de saúde SAD para o militar, cônjuge e filhos sem encargos para o militar, em que hoje paga por esse subsistema 14 vezes por ano o equivalente ao subsidio de risco que querem agora dar. Médico da Guarda nas sedes dos DTERs 1 ou 2 vezes por semana. A passagem à reserva com 36 anos de serviço independentemente da idade, e 5 anos depois passagem à reforma sem qualquer tipo de corte e ou penalização, ao contrário de agora, em que para os que passem à reserva a partir de 01JAN17 estão sujeitos a autênticas armadilhas, em que podem sofrer cortes brutais na sua pensão de reforma. Chegar ao topo da carreira no último escalão. Mais dias de férias do que hoje, em que agora para ser ter mais 1 ou 2 míseros dias se está sujeito à avaliação.  
 
Isto sim eram, e deveriam continuar a ser, condições/discriminações positivas dignas para compensar o risco que os militares da Guarda correm, e pelas quais deveriam lutar acerrimamente e não por mais um subsidio. Porque têm a ver precisamente com a saúde e a idade com que os militares vão ter de andar no serviço activo cada vez mais anos, mais velhos e mais desgastados e debilitados física e psicologicamente, e por causa disso, cada vez mais expostos ao risco e ao desgaste.
 
Agora, com a atribuição deste osso/migalha por parte do governo, esgota-se o argumento pela luta por melhores condições inerentes ao risco da profissão, porque quando isso voltar a acontecer o governo vai dizer: “Então o que é que vocês querem agora, em cima dos suplementos que já tinham já vos demos mais um subsidio de risco..."
E aqui está o tiro no pé e o embuste, a que temos de agradecer às associações por não saberem defender e lutar pelo que realmente interessa.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Overlord Seg 02 Ago 2021, 19:23

Guarda que anda à linha escreveu:
Meus Senhores, esta reivindicação pelo subsídio de risco é um tiro no pé e um embuste. Os militares da Guarda já têm um suplemento que contempla o risco, e que é:
 
Decreto-Lei n.º 298/2009 de 14 de Outubro
 
Artigo 20.º
 
Suplemento por serviço nas forças de segurança
 
1 - O suplemento por serviço nas forças de segurança é um acréscimo remuneratório mensal atribuído aos militares da Guarda em efectividade de serviço com fundamento no regime especial da prestação de serviço, no ónus e restrições específicas das funções de segurança, no risco, penosidade e disponibilidade permanente, composto da seguinte forma:
 
Pelo que se deve lutar e reivindicar por forma a compensar o risco que se corre, são as condições/direitos que os militares da Guarda já tiveram até 31 de Dezembro de 2005, e que começaram a retirar desde aí até agora, culminando em 2017 com o pior estatuto de sempre. E que, em conjunto com o DL das reformas que também entrou em vigor em 2017, faz com que pela primeira vez nos seus estatutos, os militares da Guarda já não possam passar à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações. Medidas essas que, pasme-se, nem a Troika, nem no tempo da Troika, nem o governo em funções no tempo da Troika (2011 - 2015) aplicou aos militares e policias. Com este brinde com que presentearam os militares e policias, isto sim, é uma excelente medida para sujeitar e expor cada vez mais os militares e policias ao risco, porque vão estar cada vez mais velhos, e mais debilitados e desgastados física e psicologicamente no serviço activo.
 
E algumas das medidas/condições (essas sim bastante justas) existentes até 2005 de forma a compensar o risco e a condição militar a que os militares da Guarda estão sujeitos e correm, entre outras, eram: a subida de escalão de 3 em 3 anos sem estar sujeito a sistema de avaliação manhoso. Um sistema de saúde SAD para o militar, cônjuge e filhos sem encargos para o militar, em que hoje paga por esse subsistema 14 vezes por ano o equivalente ao subsidio de risco que querem agora dar. Médico da Guarda nas sedes dos DTERs 1 ou 2 vezes por semana. A passagem à reserva com 36 anos de serviço independentemente da idade, e 5 anos depois passagem à reforma sem qualquer tipo de corte e ou penalização, ao contrário de agora, em que para os que passem à reserva a partir de 01JAN17 estão sujeitos a autênticas armadilhas, em que podem sofrer cortes brutais na sua pensão de reforma. Chegar ao topo da carreira no último escalão. Mais dias de férias do que hoje, em que agora para ser ter mais 1 ou 2 míseros dias se está sujeito à avaliação.  
 
Isto sim eram, e deveriam continuar a ser, condições/discriminações positivas dignas para compensar o risco que os militares da Guarda correm, e pelas quais deveriam lutar acerrimamente e não por mais um subsidio. Porque têm a ver precisamente com a saúde e a idade com que os militares vão ter de andar no serviço activo cada vez mais anos, mais velhos e mais desgastados e debilitados física e psicologicamente, e por causa disso, cada vez mais expostos ao risco e ao desgaste.
 
Agora, com a atribuição deste osso/migalha por parte do governo, esgota-se o argumento pela luta por melhores condições inerentes ao risco da profissão, porque quando isso voltar a acontecer o governo vai dizer: “Então o que é que vocês querem agora, em cima dos suplementos que já tinham já vos demos mais um subsidio de risco..."
E aqui está o tiro no pé e o embuste, a que temos de agradecer às associações por não saberem defender e lutar pelo que realmente interessa.


Camarada eu compreendo que você só pense na reserva mas como é que o governo nos vai dar alguma coisa se há camaradas a serem os primeiros a deitar tudo abaixo?
A introducao da palavra risco na componente fixa do suplemento de forças de segurança foi feita há anos atrás sem que fosse correspondido do respectivo aumento dos valores pagos, ou seja recebiam os 31 sem lá tar a palavra risco e com a palavra risco continuamos nos 31 euros, mas segundo você é um tiro no pé a luta. Pois olhe na minha opinião tá enganado e todas as lutas que sejam para melhorias da condições pessoais, financeiras e de trabalho é claro está incluído a reserva são condições válidas camaradas. Portanto não deite abaixo a luta dos outros mesmo que não seja a luta que você mais anseia
Overlord
Overlord
1º Sargento
1º Sargento

Masculino
Idade : 92
Profissão : GUarda de infantaria
Nº de Mensagens : 1170

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Seg 02 Ago 2021, 19:56

Amigo Overlord, eu falo na reserva porque nós não vamos ser novos toda a vida, e todos caminhamos pra velhos. Ou ainda não se apercebeu disso?

E se reparar, nos meus comentários ao longo dos tempos neste fórum quando se discute condições e direitos inerentes à profissão de risco que os militares da Guarda têm, eu não falo só na reserva mas sim nas condições que já tivemos até 31DEC2005, e que não as vou repetir aqui porque estão noutros comentários anteriores. E essas sim é que eram condições compatíveis, justas e merecidas pelo risco que os militares da Guarda correm, assim como à condição militar a que estão sujeitos.

Resumindo. Os militares da Guarda para o risco que correm e ao estarem sujeitos à condição militar como estão, já tiveram melhores condições até 31DEC2005 do que as que têm hoje, apesar do risco que correm hoje ser igual ou superior ao risco que se corria nessa altura. Até porque, hoje, continuamos a ser ameaçados, injuriados, agredidos, feridos e mortos em serviço como éramos antes.

E sim, insisto na situação da reserva porque esse é o maior prejuízo que nos podem dar, e que irá estar implicitamente ligada ao risco que vamos estar cada vez mais sujeitos, ao termos que andar cá cada vez mais velhos e mais tempo. Esta situação sim, é que está directamente interligada com o maior ou menor risco que vamos ter de correr durante o serviço activo. A preparação para o risco que se corre e do qual nos temos de defender não é igual aos 20, 30, 40, 50 e agora cada vez mais próximo dos 60 anos de idade.

Reflicta nisto, com olhos de ver, que lhe acabei de explicar. A maior machadada que nos podem dar é precisamente ao mexerem na situação da reserva e reforma, e na transição de uma situação para a outra. E essa acabaram há pouco tempo de a dar, através do DL 3/2017 de 06 de Janeiro (DL das reforma) e DL 30/2017 de 22 de Março (novo EMGNR) e que urge reparar, ou será que ainda não se apercebeu disso?
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Qua 04 Ago 2021, 21:45

Sindicatos da PSP e GNR vão recorrer à AR para fixar subsidio de risco

A Associação dos Profissionais da Guarda e a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia vão recorrer aos Grupos Parlamentares para que, em sede de discussão do Orçamento do Estado para 2022, seja fixado "um valor aceitável" de subsídio de risco.

As duas estruturas representantes da GNR e da PSP têm também agendada para setembro uma ação de protesto nacional, junto à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa.

Estas decisões foram anunciadas após mais uma reunião convocada pelo secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, com os representantes dos sindicatos e das associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia de Segurança Pública (PSP).

A reunião, segundo o Governo, daria continuidade à discussão da proposta governamental relativa ao subsídio de risco previsto nos termos do artigo 42.º da Lei do Orçamento do Estado para 2021.

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) questiona-se em comunicado acerca da utilidade desta reunião que diz ser a última, referindo que "a tutela mantém o valor de 100 Euro para o suplemento de risco e a supressão da componente fixa do Suplemento por Serviço nas Forças de Segurança, que é de 31,04Euro, portanto, os e 68,96Euro inicialmente propostos, sem ceder um milímetro".

"A APG/GNR não permitirá que este seja um último episódio e recorrerá aos Grupos Parlamentares para que, já em sede de discussão do OE2022, possam avançar um valor fixo, a vigorar já a partir do próximo ano, para que o Governo não fuja às suas responsabilidades", escreve a associação no comunicado.

O mesmo referiu Paulo Santos dirigente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) em declarações à agência Lusa.

"Esta reunião nem teve muita razão de existir porque o Governo manteve o que já tinha transmitido nas reuniões passadas concretamente no que se refere ao valor, 68 euros, para responder ao risco. Foi mais uma reunião para falar um pouco do articulado, do que vai ser alterado, mas nem mereceu comentário da ASPP ou de outras estruturas. Não acrescentou muito mais ao decidido pelo Governo de forma unilateral" disse.

A APG/GNR mantém a sua proposta conjunta com a ASPP/PSP e que prevê um suplemento de risco de 400Euro, com implementação faseada em três anos, iniciando-se nos 200Euro.

Segundo a APG/GNR, esta base de trabalho foi ignorada pela tutela durante todo o processo.

"A APG/GNR entende que o Governo recorreu a uma forma criativa de se "esquivar" à implementação do suplemento de risco, aprovado por uma maioria negativa no parlamento, avançando com valores irrisórios, insignificantes e indignos de quem arrisca a vida diariamente", refere a estrutura na nota de imprensa.

Também o Sindicato Independente dos Agentes de Polícia considera que a reunião de hoje foi "um cumprir de calendário com resultado nulo", exigindo o afastamento do secretário de Estado deste processo.

"O SIAP/PSP continuará a lutar para que os polícias tenham um suplemento de risco semelhante aos demais. Continuará a tentar, junto dos representantes da nação, na Assembleia da República e junto de outros dirigentes nacionais. Não conseguimos negociar é com quem mantém uma postura anti-negociação, uma postura ditatorial" , refere o sindicato em comunicado.

Este sindicato reafirma que não comparecerá na reunião suplementar marcada para quinta-feira.

o SIAP exige um subsídio de risco no valor de 430,39 euros, a ASPP/PSP defende o pagamento faseado do subsídio de risco até 2024. Em janeiro de 2022 seria pago 200 euros, em 2023 aumentava para 300 euros, fixando-se em 2024 nos 430 euros.

O subsídio de risco é uma das principais e mais antiga reivindicação dos polícias e a atribuição deste suplemento está prevista no Orçamento do Estado deste ano, numa decisão dos partidos da oposição e não do Governo.

https://www.noticiasaominuto.com/economia/1808692/sindicatos-da-psp-e-gnr-vao-recorrer-a-ar-para-fixar-subsidio-de-risco
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Guarda que anda à linha Qua 04 Ago 2021, 23:43

"Sindicatos da PSP e GNR vão recorrer à AR para fixar subsidio de risco"

Meus Senhores, não se iludam.

Não se esqueçam que foi com esta composição na AR, ou pelo menos idêntica, que pela primeira vez os militares e policias deixaram de ter como idade possível/limite de passagem à reforma aos 60 anos de idade sem cortes e ou penalizações, através dos DL 3 e 4/2017, situação que o governo no tempo da Troika com uma composição na AR totalmente diferente da actual, e com a Troika em Portugal, continuou a prever e a admitir à data para militares das FAs DL 90/2015, e PSP DL 243/2015.

Portanto, se com uma composição destas na AR, em que era suposto defenderem os direitos e condições dos militares e dos policias, conseguiram castigar e punir os militares e os policias com uma medida estrutural e gravíssima para a vida toda, como esta do fim da passagem à reforma aos 60 anos sem cortes e ou penalizações, o que os estatutos anteriores dos militares e policias permitiram sempre, não se iludam agora com a perspectiva da criação de um subsidio de risco generoso.
Guarda que anda à linha
Guarda que anda à linha
Sargento-Ajudante
Sargento-Ajudante

Masculino
Idade : 56
Profissão : Funcionário publico
Nº de Mensagens : 1787
Meu alistamento : Aqui podes colocar o ano do teu alistamento!(Facultativo)

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por dragao Seg 23 Ago 2021, 13:52

Subsídio de risco. Governo dá negociações por terminadas, sindicatos prometem luta

Profissionais da PSP e GNR querem que o subsídio chegue aos 400 euros até 2024 e vão recorrer aos deputados para pressionar o Governo a promover alterações em sede do Orçamento do Estado.

OGoverno fixou em 100 euros o valor a pagar às forças de segurança pelo subsídio de risco e fechou a porta a mais negociações. O valor contrasta com os 400 euros exigidos pelos profissionais da PSP e da GNR, que se reuniram esta quarta-feira com o Ministério da Administração Interna e que saíram do encontro sem margem para garantir mais um cêntimo que seja e levam, por isso, a luta para as ruas nos próximos meses.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), Paulo Santos, defende que o Governo "fala em 100 euros de forma errada".

À TSF, o responsável sindical explicou que o executivo vai "substituir os 31,04 euros na componente fixa do suplemento fixo das forças de segurança por 100 euros", o que significa que "em termos líquidos, o valor atribuído ao risco serão cerca de 78 euros".

Já o presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), César Nogueira, assinalou que estes profissionais "não podem concordar" com a finalização do processo de negociação do subsídio de risco, porque este "não é um valor digno do risco que correm todos os dias".

A proposta dos profissionais da PSP e da GNR era de atingir os 400 euros em 2024, de forma gradual.

Insatisfeitas, a ASPP/PSP e a APG/GNR prometem manter contactos com os grupos parlamentares para que a posição do Governo seja alterada em sede do Orçamento do Estado e vão promover ações de protesto.

As primeiras "iniciativas de rua e de luta" devem acontecer já em agosto, com datas ainda a definir. Depois, haverá uma vigília das duas associações, "no início de setembro, à porta da residência oficial do senhor primeiro-ministro", em conjunto com a APG/GNR.

https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/subsidio-de-risco-governo-da-negociacoes-por-terminadas-sindicatos-prometem-luta-14006889.html
dragao
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 53
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 22196
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por burro Qui 26 Ago 2021, 21:47

Respeitosos cumprimentos meus Camaradas.
Quanto ao assunto explanado, temos que ter noção que não há dinheiro nos cofres.
O governo tem a plena noção que os Guardas são "mansos".
Temos que ter noção que os oficiais falam diretamente com o ministro, logo resolvem primeiros os seus interesses, os Guardas são um alvo a abater.
Por ultimo e a mais periclitante, na minha humilde opinião, é que metade dos Guardas gostam ou lhes dá jeito serem subservientes...
Bem haja.
burro
burro
Guarda Provisório
Guarda Provisório

Masculino
Idade : 45
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 5
Mensagem : Bem haja.
Meu alistamento : 1999

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por mimsy Sex 27 Ago 2021, 09:40

burro escreveu:Respeitosos cumprimentos meus Camaradas.
Quanto ao assunto explanado, temos que ter noção que não há dinheiro nos cofres.
O governo tem a plena noção que os Guardas são "mansos".
Temos que ter noção que os oficiais falam diretamente com o ministro, logo resolvem primeiros os seus interesses, os Guardas são um alvo a abater.
Por ultimo e a mais periclitante, na minha humilde opinião, é que metade dos Guardas gostam ou lhes dá jeito serem subservientes...
Bem haja.
Tantas palavras "bonitas"...e difíceis....."periclitante" (meu deus!), para acrescentar.....NADA. Foi bem escolhido o nome de perfil, eh eh.
Já agora, afirmar que cerca de 11000 camaradas gostam de ser subservientes......é uma afirmação complicada, espero não estar incluído nesse grupo....já em criança se dizia...."quem diz, é quem é"
Cumprimentos ao Burro. ("Bem haja" é conversa de oficial...ou subserviente)
mimsy
mimsy
2º Sargento
2º Sargento

Masculino
Idade : 41
Profissão : Militar GNR
Nº de Mensagens : 891
Meu alistamento : AIP

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por burro Sex 27 Ago 2021, 14:13

mimsy escreveu:
burro escreveu:Respeitosos cumprimentos meus Camaradas.
Quanto ao assunto explanado, temos que ter noção que não há dinheiro nos cofres.
O governo tem a plena noção que os Guardas são "mansos".
Temos que ter noção que os oficiais falam diretamente com o ministro, logo resolvem primeiros os seus interesses, os Guardas são um alvo a abater.
Por ultimo e a mais periclitante, na minha humilde opinião, é que metade dos Guardas gostam ou lhes dá jeito serem subservientes...
Bem haja.
Tantas palavras "bonitas"...e difíceis....."periclitante" (meu deus!), para acrescentar.....NADA. Foi bem escolhido o nome de perfil, eh eh.
Já agora, afirmar que cerca de 11000 camaradas gostam de ser subservientes......é uma afirmação complicada, espero não estar incluído nesse grupo....já em criança se dizia...."quem diz, é quem é"
Cumprimentos ao Burro. ("Bem haja" é conversa de oficial...ou subserviente)
 Respeitosos cumprimentos.
Bem haja.
burro
burro
Guarda Provisório
Guarda Provisório

Masculino
Idade : 45
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 5
Mensagem : Bem haja.
Meu alistamento : 1999

Ir para o topo Ir para baixo

Em Curso Re: PSP e GNR defendem subsídio de risco a rondar os 380 euros

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Página 3 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para o topo